quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Bagagem explosiva



Um pacato electricista esloveno viu-se envolvido num filme de terror pela polícia do seu próprio país quando, sem que soubesse, lhe colocaram um pacote de explosivos na bagagem. A ideia, sabemos agora, era a de realizar um «exercício real», espalhando explosivos pelas malas de viagem de vários passageiros, sem o seu conhecimento ou autorização, para testar a reacção dos cães pisteiros.

Tal como conta o El País, foram escondidos nove pacotes de RDX, um dos explosivos mais potentes e perigosos do mercado, na bagagem dos passeiros de um voo entre o pequeno aeroporto de Poprad-Tatry, a 340 quilómetros de Bratislava, e Dublin, na Irlanda. Provavelmente, ninguém viria a ter conhecimento deste «exercício» se tudo tivesse corrido bem… Acontece que os cães detectaram todos os pacotes mas os polícias esqueceram-se de recolher um deles – que seguiu para a Irlanda no porão do avião e, depois, para casa do emigrante esloveno, na zona norte de Dublin.

O electricista só soube o que tinha acontecido três dias depois, quando foi detido (!) pela polícia irlandesa e viu a sua casa invadida por uma brigada de desactivação de bombas - que, entretanto, já tinha fechado a rua com todo o aparato policial possível e imaginário. Por sorte, os 86 gramas de explosivos mantiveram-se estáveis no seu esconderijo. Mas este episódio deveria preocupar-nos tanto, ou mais, como as notícias de explosivos dissimulados nas cuecas de aspirantes a terroristas... É nas nossas cuecas, afinal, que a polícia está a meter a mão.

5 comentários:

Anónimo disse...

Good to have you back

patricia reis disse...

O anónimo sou eu, não atino com esta merda da identificação, sou tão burra... ai ai ai

Patrícia Fonseca disse...

De burra é que não tens nada... :) Beijos, obrigada por me leres sempre.

artista disse...

só uma pequena correcção. Bratislava é capital da Eslováquia e não da Eslovénia. Por isso o dito electricista era Eslovaco e não Esloveno.
Enfim pequenas imprecisões de jornalista. nada de grave.
Bom ano!

VERA DE VILHENA disse...

Que história deliciosa.e assustadora! Adorei ver-te na Bica e falar contigo. Parabéns pela reportagem sobre o Haiti, que li hoje no vaocombate.
Um abraço enorme,
Vera de Vilhena