domingo, 19 de julho de 2009

A State of Affairs

(Foto: Sandra Rocha/Grande Prémio Visão Fotojornalismo 2005)

É um projecto fabuloso e que merece a nossa atenção, ao longo dos próximos meses. A partir de amanhã, e durante uma semana, 13 membros da Kameraphoto, um colectivo de fotógrafos com base em Lisboa, estarão integrados em 13 redacções do globo:

- Pedro Letria junta-se à equipa da agência Ramattan, em Gaza

- João Carvalho Pina traballhará na redacção do jornal Daily Sun, em Joanesburgo

- Augusto Brázio integra-se numa das melhores redacções da Europa, no El País

- Valter Vinagre terá uma experiência semelhante, mas no Brasil, na Folha de São Paulo

- Sandra Rocha rumou a Tóquio, para o jornal Mainichi Shinbun

- Alexandre Almeida escolheu Beirute e o jornal Al Akbar

- Guillaume Pazat procurou um jornal local norte-americano e juntou-se ao Detroit Free Press

- Jordi Burch ignorou a gripe A e voou para a Cidade do México, juntando-se aos fotógrafos do jornal El Universal

- Martim Ramos não resistiu à ideia de Nova Deli e do jornal Hindustan Times

- Pauliana V. Pimentel preferiu Istambul e um jornal com outras mulheres fotógrafas, o Hurriyet

- António Júlio Duarte ouvirá falar português, a milhares de km de distância, na redacção do jornal Hoje Macau

- Nelson d'Aires aceitou a sugestão de Moscovo e fará reportagem no jornal Izvestia

- Céu Guarda preferiu Reiquejavique e o jornal Morgunbladid

- Rui Xavier realizará um filme, juntando o trabalho de todos, que será apresentado no próximo Festival Visa pour L'Image, de Perpignan, um dos mais importantes encontros internacionais de fotojornalismo (de 29 de Agosto a 13 de Setembro).

Em Setembro, o resultado do projecto será tornado público com uma exposição na Pente 10 e a publicação do livro «A State of Affairs».

Então veremos o que resultou da ideia inicial: «tirar o retrato» ao estado do mundo, partindo do local para o global. E do estado do jornalismo, já agora. Os jornais investem cada vez menos na reportagem e no fotojornalismo e estes extraordinários fotógrafos sentem-no na pele, todos os dias. Mas, em vez de se renderem, concebem projectos, mexem-se, conseguem apoios financeiros (ainda que miseráveis) e fazem. Bem hajam.