sexta-feira, 20 de março de 2009

à beira de um ataque de nervos

É tão verdade...! Pode haver traições, porrada, drogas, filhos ilegítimos (e inesperados) ou «incompatibilidades irreconciliáveis», como os actores de Hollywood gostam de dizer, a separar um casal. Mas, muitas vezes, são os pequenos nadas que minam uma relação.

Aquelas pequenas coisas irritantes como... deixar as meias sujas no chão, comer de boca aberta, sorver as bebidas quentes, ajeitar cinquenta e três mil vezes a merda do cinto. Enfim. Que atire a primeira pedra quem não se revir, nem que seja um bocadinho, no texto de capa da Psychology Today deste Março/Abril.

É claro que (e poupo-vos ao texto todo, se não tiverem pachorra, mas é um bom texto), como esta é uma revista de psicologia, o conselho que daqui se espreme acerta-nos em cheio, qual boomerang. O problema, escrevem eles, é de quem se irrita com estas coisas. Há que mudar «a perspectiva», insistem eles. Às vezes, uma meia no chão é só uma meia no chão. Dizem eles, claro.

3 comentários:

Anónimo disse...

onde comprou esta revista?
cump
miro

H.Barroso disse...

E ler "podem haver" também é aborrecido.

H.Barroso

Patrícia Fonseca disse...

H. Barroso tinha razão no reparo. Obrigada.